COMO AJUDAR OS FILHOS A SE TORNAREM BONS ESTUDANTES?

sala-aula2Qualquer tipo de carência em uma criança causa mágoa, suscita dor.

Mas, entre todas as carências imaginadas a mais terrível é a carência do amor. Mesmo entre outros mamíferos que presunçosamente anunciamos como “irracionais” a frieza do abandono e a ausência da proteção do afeto prejudica tanto quanto a falta de comida e, se não mata, ao menos deixa marcas que jamais desaparecem.

Carente de amor, uma criança cresce sabendo muito pouco sobre como compreender o mundo e apreciá-lo com confiança e destemor. Mas, é essencial a prudência de se fugir do avesso: criança que é amada possessivamente, sem as reservas que caracterizam o que sempre se chamou de “bom senso”, aprende a amar a si mesmo sem quaisquer reservas, torna-se indigente de um inflado “afeto” de seus pais ou professores mal formados que podem desencadear, tal como sugere Anna Freud, aspectos clinicamente sinistros. Em crianças cercadas de tais excessos, a o ardor possessivo dos pais mascara a apreensão e a melancolia e acorda desdém e desprezo pelos outros.

alunos-provaNão é fácil a educação de crianças que chegam aos cinco ou seis anos com essas marcas e menos fácil ainda percebê-lo em meio a outros através dos complexos tipos de relacionamentos humanos que toda escola propicia. É, por essa razão, que pais e professores “bons” não somente podem ensinar a progressiva leitura do mundo, com e principalmente ser um orientador terno, devotado e atento e que sabem usar na maioria das vezes a palavra certa no momento certo, mas também educador disposto e determinado para enfrentar o lado egoísta e impulsivo da criança com essas características.

Tanto necessita de inclusão e ajuda a criança carente de alimento, quanto à de verdadeiro amor. Precisa de pais e de professores que a ajudem, passo a passo, controlar sua natureza egoísta, ajudá-la a perceber a amplitude colossal de um NÃO e de um SIM e compreender, bem como responder às distinções entre essas duas palavras e tudo quanto representam, transformando-as em procedimentos. Bem sabemos que não é essa uma tarefa pequena para gente grande, mas a criança carente de amor necessita aos poucos descobrir que os outros devem sempre ser levados em conta, que a mais bem intencionada doação pode ser sentida às vezes como uma frustração, uma derrota.

Pode parecer paradoxal, mas é essencial que pais e professores sejam realmente bons para iniciar ou conduzir uma criança no caminho da bondade. Ainda uma vez, a reciprocidade da atenção e do amor capacita alguém que oferece o bom a receber em troca a transformação e a graça de sua bondade. Mais tarde para pais, bem antes para o professor esse vínculo desaparece, mas sua bela marca persiste para sempre.