CARTA QUE ANUNCIA A SEPARAÇÃO DO CASAL

“Querido Zequinha: Te escrevo estas mal traçadas linhas para avisa que já não sou mais sua mulher, fui morá com Epaminondas mais a mãe dele, desde hoje minha sogra. Gostei muito de morá com você e inté pensei que ia fica a vida inteira junto, mas depois que você resolveu fazer o curso por correspondência desse tal de Direito, já percebi como você se transformô. No cumeço era home macho como sempre gostei e tu largava o braço nimim sem dó nem piedade para cada passo farso que eu pensava em dá. Alguma veiz, só pra te provocá, fiquei trocando risada com o Bentinho bem na hora de sua chegada e levei um tabefe de me virá pelo avesso. Ciúme é prova de amor e carinho maior nunca tive. Mas, desde que ocê passo a fica horas e mais horas estudando o Direito, percebi que você foi se afroxando, afroxando e me tratando com palavras melosas e presentinhos, mas prova nenhuma de carinho de home de verdade. O ponto final mesmo aconteceu quando no dia do meu aniversário me deu de presente uma porção de flores que comprou no Mercado. No mesmo dia, catei minhas roupas e foi morá com o Epaminondas, servente de pedreiro e macho de verdade que me enche de bordoada toda veiz que pensa que tô oiando para outro homem. Zequinha me desculpe pela franqueza, mas acho que o tal estudo ferveu seus miolos e você não gosta mais de mulher. Acho que você vai acaba virando um rosa. “Adeus.”.