A CRIANÇA E O MUNDO DOS NÚMEROS/ EDUCAÇÃO FINANCEIRA

É possível pensar sem palavras, o que é bem mais difícil é expressar esses pensamentos sem o uso de palavras. É evidente que se vemos uma pessoa sorrindo ou percebemos uma outra que chora, não é difícil imaginar o que pensam, mas a clareza maior desses pensamentos nos chega quando junto com a expressão facial, acolhemos suas palavras. O auxílio que a palavra presta ao pensamento é colossal e, por esse motivo, quem mais palavras aprende, melhor pensa e de forma mais nítida pode conversar com os outros ou, através de conversa interior, promover uma verdadeira dança em seus pensamentos. Alfabetizar uma pessoa é importante não apenas porque aumenta seu valor social e desenvolve mais plenamente sua autoestima, mas principalmente porque conferindo-lhe maior número de palavras, abre seus pensamentos e permite a essa pessoa alfabetizada uma dignidade maior em sua condição humana. Quando menos palavras uma pessoa conhece, maior sua proximidade aos bichos.

Mas, o que ocorre com as palavras que expressam números e pensamos em educação financeira? Será que sabendo uma menor quantidade de palavras que indicam expressões numéricas, é também menor a nossa abstração matemática? Será válido afirmar que quanto mais matemática se aprende, ganha-se também dignidade maior de pensamentos abstratos e é maior a ênfase a nossa condição humana? Desenvolver a inteligência lógico-matemática e estudar rudimentos de finanças implica em um pensar maior?

Se é extremamente difícil imaginar como seria uma pessoa criada em um ambiente sem uma língua, é mais simples que se imagina estudar comunidades que conhecem pouco os números. Os índios Piraãs, da Amazônia, por exemplo, falam uma língua na qual somente existem três palavras que expressam números. Usam o “Hói” para dizer um; ”Hoí” para dizer e pensar dois e “aíba-agi” que significa três ou muitos. Quando foram encontrados e melhor estudados, tornou-se possível perceber a natureza de seus pensamentos numéricos. Ao se traçar um ou dois traços na areia, identificavam essa quantidade sem qualquer hesitação, mas não descobriam qualquer diferença entre cinco, sete ou quinze traços. Percebiam, tal como uma criança aculturada, a diferença em um vidro com uma ou com duas sementes, mas seus acertos regrediam rapidamente quando se mostravam outros frascos com quantidade maior, mas variável, de sementes. Os Piraãs são extremamente competentes, como qualquer criança branca, ao informar em qual frasco existem mais ou menos sementes, mas são absolutamente incapazes de abstrair qualquer relação de quantidade, quer demonstrada de maneira prática com traços e vidros, quer interrogados verbalmente. Os estudos realizados com esses indígenas – ou outros ainda que não possuem palavras para uma infinita quantidade de números – ensinam-nos algumas coisas e são estes importantes para a educação infantil.

A primeira, sugere que o cérebro humano mesmo sem dispor de uma linguagem numérica é capaz de efetuar operações matemáticas simples, a segunda e bem mais importante, é que uma linguagem numérica maior e fundamentos de educação financeira constitui elemento essencial para que o cérebro execute operações matemáticas precisas e, portanto, quanto mais abstrações matemáticas se aprende a desenvolver, maior a capacidade de pensar concreta e criativamente. Ainda que essas observações pareçam extremamente óbvias, constituem um alerta para educadores que, em nome de uma pretensa modernidade, correm atrás e com frenética fartura equipam crianças com calculadoras e computadores, afastando-os das tradicionais experiências aritméticas na lousa ou em singelo caderno. O tipo de pensamento desenvolvido quando realizamos operações matemáticas é algo elástico e dinâmico que mais fino e evoluído se torna, quanto mais estímulos se promove.

Nada contra a modernidade e é importante que a escola possa estar eletronicamente bem equipada para melhor exercitar e atualizar tecnologicamente os seus alunos, mas o uso de novas linguagens e tecnologias não deve representar ousadia para que se esqueça fundamentos de uma educação financeira. Ainda não existe e provavelmente jamais se inventará meios de para superar a ampliação da capacidade de abstração numérica, sem os desafios expressos pelas continhas convencionais, nos cadernos de sempre. Não podemos deixar nos iludir pela sensação de que a tecnologia é ilimitada e para tudo serve.

Será que um dia a mão metálica de um frio robô poderá substituir a ternura que emana da mão de uma mestra, que afaga e consola as lágrimas de uma criança?